InícioYoutubeBlog

Solenidade do Corpo de Deus - ano A - 15 de junho de 2017

1 – Olhemos para a cruz. Um barrote na vertical, outro na horizontal. Jesus de braços abertos a pender da trave, entendido no tronco que se fixa na terra. A presença de Jesus na cruz é essencial, é salvação, doação, entrega, vida oferecida a Deus, vida oferecida por nós, pela humanidade. É uma vida inteira que da terra Se levanta e nos levanta para Deus. Um corpo desfeito pela violência do nosso pecado, ensanguentado, em falência, pronto para se gastar até à última gota de sangue.
       O Papa Francisco tem insistido no perigo da mundanidade da Igreja. Era, aliás, uma preocupação bem visível em Bento XVI. Como não lembrar a meditação do então Cardeal Joseph Ratzinger na Via-Sacra de 2005, em que denunciava toda a sujidade que inundava o interior da própria Igreja. Ao longo do seu pontificado procurou colocar Jesus bem no centro e bem visível. Francisco, do mesmo jeito, tem alertado para o risco da Igreja, nos seus grupos, movimentos e congregações, não passar de uma ONG (organização não governamental), empenhada no campo social, com grande competência e bem organizada, mas sem alma, sem a alegria de viver, anunciar Jesus e cuidar d'Ele nos irmãos.
       Daqui a importância do Corpo e da Cruz que O sustenta. Viver apenas na horizontalidade, em dinâmica de assistência e intervenção social, fazendo opções políticas (partidárias), por mais defensável que seja, o risco de instrumentalizar as pessoas que se servem e de serem idolatradas as que estão a servir.
       Cuidar de Jesus Cristo, como tão bem nos ensina Santa Teresa de Calcutá, nas feridas de pessoas concretas e reconhecê-las como presença de Deus, para não as reduzir a números nem a meios…
       Um risco inverso, sublinhado por muitos que agora "adoram" o papado de Francisco, em que defendem, contrariamente ao que o Papa preconiza, um Igreja não interventiva, apenas espiritual, desfazendo-se dos bens que tem e dos organismos que os gerem para ajudar os pobres, esquecendo que é através desses mesmos organismos que pode intervir. Quando o Papa Francisco manda colocar chuveiros públicos no Vaticano para os sem-abrigo, não se pense que os chuveiros e o trabalho caiu do céu e foi executado por anjos!
       A Igreja não se pode remeter à sacristia. Mas também não pode ser apenas ONG. A Cruz obriga a ligar-se a Deus, verticalidade, sem deixar de abraçar a terra, as pessoas que a habitam, horizontalidade.

  

       2 – Como Igreja, depois da Morte e Ressurreição de Jesus, somos o Corpo de Cristo. Ele a Cabeça, nós os membros. Jesus não espiritualizou, como um fantasma. Encarnou. Assumiu um Corpo. Ele é Corpo, é pessoa, de carne e osso e sangue e pele. Veio habitar no meio de nós como um de nós, em tudo igual, exceto no pecado.
       A nossa corporeidade (e assim a de Jesus) fixa-nos na terra, sujeitos às coordenadas do tempo e do espaço. Nascemos a um tempo e morremos. Vivemos num espaço, aqui e não acolá. A pele, a extremidade do nosso corpo, delimita-nos em relação aos outros e ao mundo. Mas também nos identifica: eu diferencio-me do outro. O que nos separa, o corpo, também nos permite comunicar e aproximar-nos.
       A solenidade do Corpo de Cristo acentua a Sua presença na Igreja, em particular na Hóstia consagrada. O Seu corpo, melhor, a Sua vida oferecida por nós continua presente na história, nas nossas vidas. Ele está vivo e apareceu aos Apóstolos. Não é um espírito, é Jesus Crucificado-Ressuscitado. Aparece-nos também a nós, como foi da Sua vontade. Dando-nos o Espírito Santo que no-l’O dá sobretudo nos Sacramentes e de forma peculiar na Eucaristia.
       Na Última Ceia, Jesus, antecipando a Sua morte e ressurreição, confia-nos o Seu corpo, a Sua vida. Isto é o Meu Corpo. Isto é o Meu sangue, entregue por vós, entregue por todos, para a todos redimir. Sempre que fizerdes isto em Minha memória Eu estarei no meio de vós. Como quem serve!


       3 – «Eu sou o pão vivo descido do Céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que Eu hei de dar é a minha Carne, que Eu darei pela vida do mundo».
       Na multiplicação dos pães, Jesus sublinha a abundância do alimento que nos vem de Deus. Quem O segue alimentar-se-á até à eternidade. Jesus terá oportunidade de fazer a ponte entre o alimento corporal, necessário, como direito fundamental, como apelo à partilha solidária, como obra de misericórdia, dar de comer a quem tem fome, como resposta à mendicidade de Jesus, o que fizerdes ao mais pequeno dos irmãos é a Mim que o fazeis, mas ao mesmo tempo, insiste que os Seus discípulos não devem buscar apenas o alimento que perece, mas o alimento que permanece para sempre e que os fará entrar na comunhão plena e definitiva na glória do Céu. Há que buscar o Reino de Deus e a sua justiça, o mais virá por acréscimo, pois quem busca o reino de Deus já se está a comprometer com a justiça.
       As palavras de Jesus não são ficção! O aparecimento da festa do Corpo de Deus é uma resposta aqueles que diziam que a presença de Jesus no pão e no vinho era mera simbologia. Os católicos mantêm-se na certeza que Jesus está real e sacramentalmente no Pão e no Vinho. Mas as palavras de Jesus também apontam, de forma clara, nesse sentido. Daí a discussão acesa entre judeus: «Como pode Ele dar-nos a sua Carne a comer?».
       Novamente, Jesus lhes diz: «Se não comerdes a Carne do Filho do homem e não beberdes o seu Sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue tem a vida eterna; e Eu o ressuscitarei no último dia. A minha Carne é verdadeira comida e o meu Sangue é verdadeira bebida. Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue permanece em mim e Eu nele».
       Comer a carne de Jesus e o Seu sangue é garantia de permanecermos em comunhão com Ele e Ele connosco. Não se trata de canibalismo. Os primeiros cristãos era acusados precisamente disso, tal era a firmeza das suas palavras. Porém, não se trata de canibalismo mas da soberania e da graça de Deus que, nas espécies do pão e do vinho, pela ação do Espírito Santo, nos dá o Corpo de Jesus.

       4 – Ao longo da história, o povo eleito vai percebendo que Deus é o verdadeiro alimento.
       O alimento que é dado ao povo, através de Moisés, é também pão descido do Céu. Deus permanece fiel à Sua aliança. O povo, por sua vez, às primeiras dificuldades, murmura e revolta-se contra Deus.
       Subentende-se que em alguns momentos o povo se desliga de Deus, fazendo o que lhe dá na real gana. Nos apertos e dificuldades volta-se novamente para Deus, mas numa perspetiva mágica, à espera que o pão seja milagre, dispensando o trabalho e compromisso com os outros.
       O alimento é associado aos mandamentos. As provações são oportunidades para ressalvar outros valores que se levantam: «Deu-te a comer o maná que não conhecias nem teus pais haviam conhecido, para te fazer compreender que o homem não vive só de pão, mas de toda a palavra que sai da boca do Senhor. Não te esqueças do Senhor teu Deus, que te fez sair da terra do Egipto... Foi Ele quem, da rocha dura, fez nascer água para ti e, no deserto, te deu a comer o maná, que teus pais não tinham conhecido».
       A erradicação da pobreza passa pela educação, pelos valores, pela cultura. Não basta dar o pão. Quem dá o pão dá também a educação. Com o pão, a vida e tudo o que nos ajuda a ser mais humanos. A falta de educação, de cultura, o relativismo dos valores, mais cedo ou mais tarde, gera vazios que são preenchidos pela revolta, pela violência, pela ganância, pelos fundamentalismos. Educar e comunicar valores é também uma forma de dar pão. Dar de comer a quem tem fome. Dar bons conselhos. Dar de beber a quem tem sede. Ensinar os ignorantes. Vestir os nus. Corrigir os que erram.
       Na comunhão do Corpo tornamo-nos enviados: «Assim como o Pai, que vive, Me enviou, e Eu vivo pelo Pai, também aquele que Me come viverá por Mim. Este é o pão que desceu do Céu; não é como aquele que os vossos pais comeram, e morreram; quem comer deste pão viverá eternamente».

       5 – O pão que nos é dado é para condividir. Nada do que Deus nos dá é para guardar. Foi esse o pecado de Adão e Eva, guardarem para si os frutos das árvores. Quando comungamos o Corpo de Cristo, entramos em comunhão com Ele, para nos fazermos comunhão uns para os outros.
       O Apóstolo São Paulo alerta: «Não é o cálice de bênção que abençoamos a comunhão com o Sangue de Cristo? Não é o pão que partimos a comunhão com o Corpo de Cristo? Visto que há um só pão, nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo, porque participamos do mesmo pão».
       A comunhão com Cristo implica-nos a fazer comunhão com os outros, o que passa pelo cuidado concreto, pelo serviço, pela compaixão.

       6 – «Senhor Jesus Cristo, que neste admirável sacramento nos deixastes o memorial da vossa paixão, concedei-nos a graça de venerar de tal modo os mistérios do vosso Corpo e Sangue que sintamos continuamente os frutos da vossa redenção».
       Comungando Cristo, pela palavra, pelo desejo, pelo sacramento, produzamos frutos de caridade e de redenção.

 

Pe. Manuel Gonçalves

 

Textos para a Eucaristia (ano A): Deut 8, 2-3. 14b-16a; Sl 147; 1 Cor 10, 16-17; Jo 6, 51-58.
Domingo XVI do tempo Comum - ano A - 23 de julho de 2017

1 – Jesus, rodeado da multidão, continua a falar em parábolas. As que hoje nos apresenta são mais algumas pérolas preciosas que devemos refletir, partilhar, traduzir para a nossa vida, adaptá-las ao nosso relacionamento com os outros, para que não desperdicemos o bem só porque em determinada altura se afigurou o mal ou prevendo sacrifício e sofrimento; ao invés, sejamos resilientes...  VER +

Share